John Kerry

    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
    John Kerry
    68º Secretário de Estado dos Estados Unidos
    Período1 de fevereiro de 2013
    a 20 de janeiro de 2017
    PresidenteBarack Obama
    AntecessorHillary Clinton
    SucessorRex Tillerson
    Senador por Massachusetts
    Período2 de janeiro de 1985
    a 1 de fevereiro de 2013
    AntecessorPaul Tsongas
    SucessorMo Cowan
    66º Vice-governador de Massachusetts
    Período6 de março de 1983
    a 2 de janeiro de 1985
    GovernadorMichael Dukakis
    AntecessorThomas P. O'Neill III
    SucessorEvelyn Murphy
    Dados pessoais
    Nome completoJohn Forbes Kerry
    Nascimento11 de dezembro de 1943 (75 anos)
    Aurora, Colorado
    ProgenitoresMãe: Rosemary Forbes
    Pai: Richard J. Kerry
    Alma materUniversidade Yale
    Boston College
    EsposasJulia Thorne (1970–1988)
    Teresa Heinz(1995–presente)
    Filhos2 (Alexandra e Vanessa)
    PartidoDemocrata
    ReligiãoCatolicismo Romano
    ProfissãoAdvogado
    AssinaturaAssinatura de John Kerry
    Serviço militar
    Serviço/ramoMarinha dos Estados Unidos
    Anos de serviço1966–1978
    GraduaçãoTenente
    UnidadeUSS Gridley
    Batalhas/guerrasGuerra do Vietnã
    CondecoraçõesEstrela de Prata
    Estrela de Bronze
    Coração Púrpuro(3)

    John Forbes Kerry (Aurora, 11 de dezembro de 1943) é um políticoestadunidense que serviu como senador pelo Partido Democrata de Massachusetts (1985-2013) e também como Secretário de Estado dos Estados Unidos (2013-2017).

    Candidato a Presidente da República nas eleições de 2004, Kerry foi derrotado por George W. Bush por uma diferença de 34 votos colegiados. Kerry é um veterano da Guerra do Vietnã e foi porta-voz da organizações sem fins lucrativosVietnam Veterans Against the War (em português: Veteranos do Vietname Contra a Guerra) quando retornou do serviço militar. Antes de ser eleito para o Senado, foi Assistente do Promotor Distrital e Vice-Governador de Massachusetts no governo de Michael Dukakis, candidato democrata à presidência em 1988.

    Pertence, desde 1966 a uma sociedade secreta chamada Skull and Bones. É casado com a portuguesa nascida em MoçambiqueMaria Teresa Simões Ferreira (mais conhecida como Teresa Heinz Kerry).

    Kerry substituiu Hillary Clinton na secretaria de estado em fevereiro de 2013. Ele foi escolhido pelo presidente Barack Obama em dezembro de 2012. Neste cargo, mostra boa qualificação falando fluentemente o alemão e o francês.

    Campanha presidencial de 2004

    Nas primárias do Partido Democrata de 2004, John Kerry derrotou vários membros proeminentes do partido, entre os quais John Edwards, Howard Dean e Wesley Clark. Sua vitória na convenção em Iowa é tida como o fio condutor de sua campanha revigorada nos estados do Arizona, Carolina do Sul e Novo México. Kerry, então, venceu também em Nevada e Wisconsin. O Partido Democrata o nomeou candidato para a eleição presidencial de 2004 para concorrer contra a reeleição de George W. Bush. Em 6 de julho de 2004, Kerry anunciou John Edwards como seu companheiro de chapa. No entanto, segundo Bob Shrum, após as eleições de 2004 Kerry teria se arrependido de escolher Edwards como seu companheiro de chapa. Em participação no programa This Week, da ABC, Kerry recusou a responder as perguntas sobre os comentários de Shrum, referindo-se a elas como "ridícula perda de tempo".

    Durante sua campanha de 2004, Kerry criticou severas vezes George W. Bush, o então Presidente e seu adversário, por conta da Guerra do Iraque. Apesar de ter votado a favor de resposta ofensiva contra Saddam Hussein, votou contra o investimento de 87 bilhões de dólares para financiar a guerra. Em discurso, Kerry afirmou erroneamente que "votou no financiamento de 87 bilhões para a guerra", sendo esta uma das declarações que contribuíram para sua desestabilização perante o candidato opositor.

    Em 3 de novembro de 2004, Kerry reconheceu sua derrota por telefone. O candidato democrata recebeu 59.3 milhões de votos, o equivalente a 48.3% do voto popular. Bush, em contrapartida, recebeu 62 milhões de votos, o equivalente a 50.7% dos votos válidos. Kerry recebeu 252 votos eleitorais, contra 286 de Bush.

    Secretário de Estado

    Em 15 de dezembro de 2012, vários meios de informação publicaram que o Presidente Barack Obama iria nomear Kerry para suceder Hillary Clinton como Secretário de Estado, após Susan Rice ter solicitado a retirada de seu nome dentre as preferências do presidente. Em 21 de dezembro, Obama propôs a nomeação de Kerry, que foi recebida positivamente, e confirmado pelo Senado em 24 de janeiro de 2013. O Comitê de Relações Exteriores do Senado aprovou sua nomeação por 94 contra 3 votos. Em carta ao Governador de Massachusetts, Deval Patrick, Kerry anunciou seu afastamento do Senado para a assumir o cargo na Casa Branca.

    Após seis meses de diplomacia rigorosa com o Oriente Médio, John Kerry pôde dar início às Conversações de Paz entre Israelenses e Palestinos em 2013. Oficiais sênios dos Estados Unidos afirmaram que ambos os lados estavam aptos a reunirem-se em 30 de julho de 2013 na sede do Departamento de Estado, sem a mediação de autoridades americanas.

    Em 27 de setembro de 2013, Kerry reuniu-se com o Ministro do Exterior iraniano, Mohammad Javad Zarif, durante a cimeira P5+1. Outras conversações ocorrera posteriormente, sendo que este foi o mais alto contato diplomático entre os Estados Unidos e o Irã em seis anos. Por conta de sua iniciativa, Kerry tornou-se o primeiro Secretário de Estado norte-americano a reunir-se com um ministro iraniano desde a Revolução Iraniana.

    No Departamento de Estado, Kerry ficou conhecido como "indiferente, introvertido e desinteressado em ler memorandos". Funcionários de carreira do Departamento, no entanto, o têm criticado por centralizar o poder na agência, tornando as operações mais lentas. Outros o descrevem como possuidor de "um tipo de transtorno de déficit de atenção diplomática", uma vez que não costuma concentrar-se em estratégias de longo prazo. Quando questionado se viajava muito ao exterior, Kerry respondeu prontamente que não. Apesar dos seus esforços e conquistas no Departamento de Estado, sua popularidade entre os funcionários é menor do que sua antecessora.

    Síria

    Após o Ataque químico de Ghouta ser atribuído ao governo sírio, Kerry passou a defender publicamente o uso de força militar contra o governo de Bashar Al-Assad, ao que ele se refere como "uso brutal e flagrante de armas químicas por um déspota".

    Em setembro de 2013, ao ser questionado se a Síria poderia evitar a resposta militar norte-americana, Kerry respondeu que Bashar Al-Assad "poderia entregar cada uma de suas armas nucleares para a comunidade internacional em uma semana (...) mas que não iria fazê-lo e isto não seria possível". Esta observação espontânea, apesar de considerada uma gafe, influenciou o governo sírio a abandonar e destruir suas armas químicas. Em resposta, o Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, afirmou que seu país trabalharia "imediatamente" para convencer a Síria a abandonar o uso de armas químicas.

    O governo sírio aceitou formalmente a proposta e em 14 de setembro, as Nações Unidas aceitou o país na convenção de destruição de armas químicas. No entanto, o Conselho de Segurança ordenou a destruição das armas no país e entrou com uma resolução para condenar oficialmente os ataques de Ghouta.

    América Latina

    Em discurso perante a Organização dos Estados Americanos, em novembro de 2013, John Kerry ressaltou que o "erro da Doutrina Monroe" estava "superado" definitivamente.

    A base desta página se encontra em Wikipédia. O texto está disponível pela licença CC BY-SA 4.0 license, Os dados mediáticos não textuais estão disponíveis sob as suas próprias licenças. Wikipedia® é uma marca comercial registrada da entidade Wikimedia Foundation, Inc. Este site não está afiliado com a Fundação Wikimedia (Wikimedia Foundation).
    Comunidade
    BrasilInfo